Fique Sabendo Benficanet
Ato-arte na praça CEU contra a redução da maioridade penal - 22/07/2015

1195 acessos.

No último domingo (19), o Centro de Cultura e Esportes Unificado (CEU) da Zona Norte recebeu um ato-arte em defesa da vida da juventude e contra a redução da maioridade penal. A ação reuniu vários grupos e coletivos de jovens que constituem o Fórum Regional Contra a Redução da Maioridade Penal. "O objetivo do ato é mostrar para a sociedade que a juventude pode e faz muita coisa boa e é fundamental para o desenvolvimento do país. Não é necessário encarceramento, mas investimentos no seu potencial positivo", afirma Priscila Alves Fraga, 22 anos, estudante de Letras da UFJF, integrante do Fórum.

Várias oficinas aconteceram simultaneamente: confecção de pipas, amarração de turbantes, rap em cartaz, estêncil, grafite e produção de um fanzine sobre a realidade da juventude. O Núcleo de Assessoria Jurídica Popular (Najup) fez um tira-dúvidas sobre os Estatuto da Criança e do Adolescentes (ECA). "Por meio de dinâmicas, pretendemos quebrar preconceitos e informar as pessoas sobre o judiciário quando se trata de menores. O direito tem também uma estrutura hierarquizada e excludente, por isso não vamos levar a Lei, mas construir, com as pessoas conhecimento sobre ela", comenta Gabriela Cavalcanti, 20 anos, estudante de direito que participa do núcleo.

Durante todo o dia, a quadra esteve ocupada com os jovens do Basquete. "Acho que essa ação é legal porque vai mostrar que a gente não é violento e que ninguém nasce violento, basta ter um espaço aberto, com estrutura para os jovens, que ocupamos", ressalta João Arthur Martins Barbosa, 16 anos, estudante de edificações no IFET e membro do time Spider.

O movimento contou com o encontro de MCs e dança de rua. Os participantes do Rap Costa Norte fizeram uma batalha. Eles já se reúnem todos os domingos na praça e acreditam que essa é uma alternativa para a juventude da periferia em vez da redução da maioridade. "Quanto mais oprime, mais os jovens vão reagir com violência. Aqui mostramos que a rua não é só feita de crime, mas de cultura e união", conta Carlos Magnum Reis Ferreira, 23 anos, conhecido como MC Mandella. Ele mora na região e trabalha.

"A escolha da praça CEU para abrir uma série de atos é justamente para dar visibilidade ao que consideramos fundamental para diminuir a violência. Aqui temos um equipamento dirigido ao público jovem e várias atividades cotidianamente. O espaço é compartilhado com a comunidade e foi apropriado pela juventude, o que é muito positivo. Às vezes, o poder público afirma que o custo de um projeto como este é muito alto, mas e o custo das vidas em jogo e do sistema carcerário? A maioria dos jovens infratores abandonaram os estudos e não tem ensino médio, já que não possuem projeção de ensino superior e precisam de algo imediato pra ajudar as pagar as contas em casa. E quando cometem uma primeira infração, eles não tem um suporte da assistência social como deveria e nenhum acompanhamento pra tentar mudar esse caminho. Resolveram criminalizar toda a juventude... Quem fez esta sociedade pra eles? Porque eles estão mais violentos? Será que não é toda a sociedade que está mais violenta? Como as armas chegam nas mãos deles?", questiona Aline Junqueira, presidente da Associação de Moradores do Bairro Benfica (AMBB).

"O Brasil precisa incentivar suas crianças com projetos, integrando atividades aos estudos para que elas não se afastem das escolas por falta de interesse. O encarceramento não vai melhorar a juventude e reduzir violência no país. Aqui mesmo na Zona norte de Juiz de Fora temos o 'Cerespinho', por exemplo, que deveria estar de fato recuperando os jovens infratores, oferecendo atividades, oficinas de aprendizado, permitindo que eles retornassem à sociedade dispostos a seguirem um rumo diferente, no entanto não estamos vendo isso.", diz Márcio da Silva, 27 anos, estudante de música, morador do bairro Democrata, que soube da mobilização e quis participar por acreditar que a mudança poderia vir do investimento na educação, nos espaços culturais e esportivos.

Conversando com Sueli, moradora do bairro Nova Era, que acompanhou seu filho Matheus Crispin de 13 anos, estudante da sétima série, voluntário na oficina de confecção de pipas, ela disse que a família também é muito importante no direcionamento dos filhos, sempre orientando, corrigindo e procurando além da escola, dar ocupações com atividades saudáveis. "Porque os adolescentes sempre estão em grupo e uma ideia errada pode comprometer aquele que não tem essa base familiar. É o que infelizmente acontece com muitos.", comenta Sueli. Perguntando ao Matheus porque ele estava ali ensinando aquelas crianças a fazerem e a soltarem pipa, ele respondeu que ele gostava de saber que poderia ensinar, já que alguém um dia o ensinou.


Quem quiser seguir o Fórum Contra a Redução no Instagram, busque "deixa a juventude viver".

Conheça melhor a praça CEU, que fica na Avenida Juscelino Kubitschek 5.899, em frente à Imbel, no bairro Benfica.

 

Qual sua opinião sobre a redução da maioridade penal?
Você é contra ou à favor?
Envie seu comentário!

  
    Comente!

© direitos reservados desde 2008 -  benficanet.com - contato@benficanet.com